quarta-feira, 20 de abril de 2011

HERÓI - A Revista Que Mudou Tudo



Um belo dia desses, eu estava em uma de minhas agora freqüentes reviranças em minha coleção e, ao me deparar com as revistas “HERÒI”, bateu aquela nostalgia insuportável que faz a gente parar tudo que estiver fazendo para ficar rememorando o passado, e neste caso também, “folheando” o passado.

 A revista HERÓI surgiu como uma bomba de conhecimento, algo novo, algo impactante e indispensável para um jovem nerd como eu em meados de 1994.
Estávamos longe do advento da internet e adquirir conhecimentos sobre o mundo por tráz das HQs, filmes, desenhos, animes e séries de que tanto gostávamos, era algo muito
difícil, para não dizer impossível (pelo menos para mim na época era....) de se conseguir. O cara que lia HERÓI se tornava o “Herói” dos nerds (termo que na época era ofensivo, mas que agora já nos acostumamos...) desamparados e oprimidos pela desinformação que as mídias no Brasil traziam (e trazem) na bagagem. Era normal na época, eu achar que estava ficando mais inteligente por que lia a HERÓI (quanta burrice...), mas enfim, o fato é ela abriu meus olhos de uma forma muito especial e que para mim, para sempre a HERÓI vai ser “A Revista que Mudou Tudo”!

Uma (não tão) breve história...



A HERÒI começou como uma revista semanal de baixa qualidade, com um preço até meio alto para a época (R$ 1,95 por semana era um valor salgado), mas era irresistível poder ler sobre os heróis que gostávamos e sobre alguns que nem tínhamos ouvido falar ainda, ou então poder ver matérias sobre desenhos que há muito tempo já não passavam na TV e que as novas gerações achavam que você estava louco quando falava delas.
No início, e em durante quase toda a sua existência, o carro-chefe da HERÓI foram as matérias com Os Cavaleiros do Zodíaco, desenho que era a hecatombe de sucesso da época (e do qual me tornei um dos seus maiores fãs), mas que até eu ver na banca aquela revista com o Seiya na capa (HERÓI n° 1), eu nunca ouvira falar. Mas foi só ler a matéria que já queria mais e mais daquilo, me viciando no anime sem nunca ter ao menos visto uma única vez. De vez em quando, a revista dava um espaço maior a outras coisas, como X-men, Power Rangers, Superman e outros, mas quase sempre tinha alguma coisa sobre os tais cavaleiros do zodíaco.




Evolução

O tempo então foi passando e o sucesso aumentando, daí então os editores da revista viram que já era hora da HERÓI mudar, evoluir, crescer para algo ainda mais fantástico do que já era. Assim sendo, no N° 24 da informativa, nascia a HERÓI GOLD! A nova versão tinha mais páginas, maior conteúdo, promoções, qualidade melhor do papel em algumas páginas e ainda por cima, continuava o mesmo preço! O sucesso foi garantido, gerando ainda novas publicações que levavam o símbolo de qualidade HERÓI, como a HERÓI GAMES, a HERÓI SUPER, HERÓI SOM, MINI-HERÓI e a VILÕES. As matérias sobre cavaleiros já não eram tão freqüentes, embora ainda ocupassem um espaço de destaque nas revistas.
Este foi o ápice da publicação, o período de maior reconhecimento por parte do público e durou um certo tempo sem que grandes coisas mudassem.




Involução

O ótimo período durou até meados do centésimo número. Foi então que a revista começou a mudar novamente, só que desta vez, para pior ou, no mínimo, para algo sem a mesma magia. Não sei se por opção infeliz dos editores ou devido às centenas de “crias” da HERÓI que pipocavam  a cada dia, tornando a concorrência muito competitiva, mas a publicação começou a adotar medidas estranhas, diminuíram as páginas novamente, e de quando em quando saía uma edição em formato magazine, talvez para atrair mais leitores. Além disso, os conteúdos pareciam estagnados, se prendendo demais em guias de episódios de séries que estavam passando na TV na época. O fato é que parece que as idéias não deram muito certo e a peteca começava a cair.
Num último e desesperado esforço editorial, a publicação adotou de vez o formato magazine, o que elitizou um pouco o seu público, pois havia se tornado uma revista mais cara e com maior custo de produção. Este esforço ainda conseguiu que a HERÓI sobrevivesse por mais algum tempo, mas sem o mesmo brilho de outrora, até meados de 1998, quando foi cancelada.




Revolução

Por volta do ano 2000 (creio), surgia uma nova encarnação da extinta HERÓI, A HERÓI 2000. Era uma revista totalmente nova, com nova equipe criativa, nova editora, novo formato (formato americano de comics), o mesmo conteúdo de antes(lá estavam os cavaleiros de Athena outra vez!), mas que tentava resgatar a grandiosidade de outrora, com design arrojado e tendo em vista o que acontecia no mundo nerd naquele momento, sem aquele saudosismo da encarnação anterior. A idéia parecia ótima, e agarrada a um nome forte, rendeu algumas boas edições e durou um tempo razoável, mas creio que com o mal encarnado que a internet simboliza para esse tipo de publicações, com milhares de sites que falavam sobre os mesmos temas com apenas alguns clicks, a HERÓI acabou não conseguindo mais se estabelecer no mercado, tornando-se apenas em um mero site de qualidade duvidosa.






  
Os Filhos da HERÓI

                                                                    
Com o sucesso estrondoso que a HERÓI atingiu em seu primeiro ano de publicação, não demorou para outras editoras verem que poderiam lucrar com este novo seguimento de publicações e começou então uma verdadeira avalanche de “crias” da HERÓI nas bancas. HERÓIS DO FUTURO, ANIMAX, HQ MANIA, COMICS GENERATION, MANGA MANIA, SHOWMIX, são apenas alguns exemplos de revistas que surgiam a toda hora e que sumiam das bancas tão rápido quanto apareciam. As imitações não se intimidavam nem de ter o nome parecido, como é o caso, por exemplo, da HERÓIS DO FUTURO. O conteúdo também era praticamente o mesmo, tendo quase sempre Os Cavaleiros do Zodíaco como capa das edições. A HERÓIS DO FUTURO, foi uma das que mais se destacou e a que mais durou nesse mar de cópias da HERÓI, tendo matérias muitas vezes mais completas que a da própria fonte de onde sugavam.
Aos poucos essas imitações foram diminuindo e consequentemente, se extinguiram para sempre. Mesmo a tentativa da Editora Globo de publicar a revista americana WIZARD no Brasil, não obteve o retorno desejado.



Considerações Finais

A ironia é que o que a HERÓI e todas as suas variações ajudaram a criar; essa coisa do fã ir além de apenas ir comprar o gibi do homem-aranha do mês e sim também se interessar por quem escreveu e desenhou, que histórias marcantes tiveram anos antes e tal, acabou sendo o que talvez tenha sido o que causou o seu fim. Uma pena, pois para mim, a HERÓI pra sempre vai ser “A Revista que Mudou Tudo”.   


MAKING OFF:

                                               Pé ajudando a selecionar as revistas.


                                                 Pé ajudando a ensacar os gibis.

                                                 Alarico Bolseiro lendo "O Senhor das Rações"


                                                    " Um Anel para a todos incomodar"!

10 comentários:

  1. Verdade verdadeira,essas revistas fizeram história na epoca em que a internet era coisa rara,,eu não lembro da revista heroi, mas me lembro da febre que era as revistas ultra jovem,e anime-do, sempre estampando em suas capas Dragon ball e Cavaleiros do zodiaco, durou bastante tempo,tempo suficiente até eu conhecer lan house e descobrir que pelos mesmos 3,90 eu conseguia fica 4 horas na lan house e adquirir muito mais informações.. ainda hoje tem uma revista que se chama heroi é uma revistinha que não deve vender muito pois só traz informações que ja estão na net e em maiores textos. bons tempos os de comprar revistas com guia de episodios ...

    ResponderExcluir
  2. Bela matéria, Dimitri. Sabe que cheguei a comprar alguns números da Herói, quando havia matérias que me interessavam, evidentemente. Era com certeza, uma das poucas fontes de informação sobre HQs, numa época em que a internet ainda era privilégio de poucos e distantes rincões. Hoje, a net tomou conta e esse tipo de revista para 'nerd's perdeu um pouco sua razão de existir. Assim como muitas outras. Estamos na era do Ipad e do PDF.

    ResponderExcluir
  3. olá, tipo, eu tenho a Herói 100, e mais umas outras aqui, porém a 100 desprendeu a capa e o pôster eu o perdi a séculos, tem como colocar um scanner da capa ou pôster ? (sou louco por aquela capa)

    ResponderExcluir
  4. Oi! Você saberia onde posso encontrar até que número foi editada a Revista Herói? Por exemplo...em que número terminou a Herói e virou Herói Gold e assim por diante. Você poderia me ajudar?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui ó ....http://www.enciclopediahq.com/2013/05/heroi-gold-001-100.html?m=1

      Agora se achar em algum local onde baixar elas, me avisa

      Excluir
  5. betojstos@hotmail.com... me chamo Robert e tenho revistas herói da 1 a 50 (digitalizados) e gostaria de ter as outras tb... se alguém tiver me avise ou me mande por e-mail... obrigado!!!

    ResponderExcluir
  6. betojstos@hotmail.com... me chamo Robert e tenho revistas herói da 1 a 50 (digitalizados) e gostaria de ter as outras tb... se alguém tiver me avise ou me mande por e-mail... obrigado!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poderia compartilhar para mim por favor ?

      Excluir
    2. Boa tarde Robert! Poderia compartilhar comigo estas edições digitalizadas por gentileza? cavaloaladopegasu@gmail.com
      Sou muito fã desta revista!

      Excluir
  7. demais essa postagem. com certeza a revista herói e marcante e muito boa !

    ResponderExcluir